Hoje eu estava entre duas amigas queridas, Fabrícia e Camilla, quando de repente eu fui esmagada pelo abraço delas. Foi aí que descobri que eu estava entre as ganhadoras do prêmio de melhor fotografia do Congresso Wedding Brasil. Eu não escutei meu nome, eu não vi minha foto, eu recebi dois giga abraços e ouvi um monte de gente gritando “AÊÊ CAROOL!!” Meu Deus!! O coração que já tinha quase parado no avião de ida do Rio pra São Paulo por causa da turbulência dessa vez ia pifar! Caraca eu ganhei! E foi lindo ver meus amigos de Recife, Rio, SP, Campinas, BH, Petrolina, todos lá felizões por mim! Que alegria!!! E fui subindo para o palco, querendo que meus pais vissem aquilo ali. Posei para foto, a boca tremendo meio torta, sentei e mandei mensagem para eles: ganhei! Não tenho telefone que liga na internet, acho que eu era a única no Congresso, portanto SMS resolve tudo! E de repente eu queria avisar a mais alguém, só a uma única pessoa que não estava mais ali. Era minha vó, que me ajudou a comprar minha primeira câmera analógica e depois digital. A digital foi num Natal, num envelopinho branco escrito a mão com uma tinta azul quase falhando “para minha fotógrafa preferida”.... eu tenho até hoje guardado... e nesse momento, meio que sem querer ela me veio a mente. Obrigada vó!

[caption id="attachment_540" align="alignnone" width="300" caption="Foto: Daud Pacha"]Foto: Daud Pacha[/caption]

Passado o pânico eu queria festa! Abracei os amigos, gritei, agradeci, mais fotos, mais fotos porque eu sou fotógrafa que gosto de sair em foto!! E foi muito bom ver minha amiga Fabrícia toda feliz com seu sorrisão rasgado tentando me fotografar sem saber ligar minha camerinha, uma delícia ver presente meu amigo Boscão de Recife, onde tudo começou! Maravilha ver a Fernanda chegando na beira do palco com seu jeito “heheheheh eu já sabia!” Depois abraçar a Rafaela ouvindo que eu merecia o prêmio. Tudo foi um conjunto de alegrias! No meio da confusão toda, o querido Daud me fotografando para lá e para cá! Meu Deus! O Daud me fotografando! Mas depois eu bem que ouvi “Porra você foi ganhar esse prêmio me atrasei para pegar o avião de volta” hahahhahaha!!! Chamei a Fabris para me fotografar com a Marcia Charnizon, na verdaaaaade, só para ela ficar pertinho da ídala dela! E depois o Leandro veio me dizer que os jurados, inclusive sua esposa, Renata, tinham amaaado a minha fotografia. Que presentão!!!!!

[caption id="attachment_538" align="alignnone" width="300" caption="Foto: Daud Pacha"]Foto: Daud Pacha[/caption]

Muitas e muitas emoções! E pra completar um dia tão Feliz ao lado de pessoas tão felizes, nosso vôo para o Rio não teve nenhuma turbulência e chegando aqui, nenhuma chuva!! Estou em casa, feliz, cansada, seca, são e salva com um cheque de plástico, daqueles gigantes que eu vim terrivelmente carregando no avião. Tenho certeza que quem viu deve ter achado que eu ganhei no Sílvio Santos em SP! Hahahhahahaha MICO??? Claro que não! Tudo é festa!!!

[caption id="attachment_537" align="alignnone" width="200" caption="Foto: Daud Pacha. Eu e o cheque maior que a minha pessoa!"]Foto: Daud Pacha[/caption] E a parte mais importante vem agora: OBRIGADA RECIFE meu berço na fotografia, que me ensinou a olhar as pessoas e as cores da vida. OBRIGADA RIO que me acolheu de volta na minha cidade Natal e me possibilita exercer o que eu mais seu fazer na vida. Obrigada Rafaela Azevedo, que desde o comecinho da minha carreira me incentivou e me INSPIRA sempre! Obrigada a Fabrícia Soares, não só pela irmandade, mas por ter me dito “vem logo pra cá pro Rio!” e ter feito muita coisa acontecer! Obrigada a Juliana Pessôa que, mesmo antes de nos conhecermos já me dava boas-vindas aos casamentos no Rio. Obrigada a Joana Chiavari, minha primeira noiva no Rio, que me contratou quando eu ainda morava em Recife, sem saber que eu me mudaria para cá! Obrigadííssimo a IRENE, a noiva LINDA DA FOTO que confiou no meu trabalho! Eu liguei para ela logo depois do prêmio falando: “Ireneeee!! Você é foda!!! Vamos comemorarr!!!!” Obrigada Stefano Aguiar e Wagner Pinheiro, meus queridos amigos e segundo fotógrafo e assistente, respectivamente, nesse casório! E, um especial OBRIGADA a Fernanda Petelinkar. Porra Fernanda! Foi você quem mandou eu inscrever essa foto!

Pai, mãe, eu sei que vocês morrem de pena de eu trabalhar aos finais de semana. Eu também morro! Hahahahahha! Mas aí...  Obrigada por SEMPRE, SEM-PRE estarem comigo!

Tá bom, já desidratei de chorar!

BEIJOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! e SEGUE A FOTO: (qualquer foto, é só clicar em cima para ver grande)

[caption id="attachment_541" align="alignnone" width="300" caption="Ciranda"]Ciranda[/caption] :) [post_title] => 5 lugar no Prêmio Wedding Brasil de Fotografia de Casamento [post_excerpt] => [post_status] => publish [comment_status] => open [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => 534-2 [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2018-02-22 16:08:49 [post_modified_gmt] => 2018-02-22 19:08:49 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://carolinapires.com.br/534-2/ [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) [10] => WP_Post Object ( [ID] => 13428 [post_author] => 2 [post_date] => 2010-03-24 00:00:00 [post_date_gmt] => 2010-03-24 03:00:00 [post_content] =>

Sabe aquela história de relacionamento? Qualquer uma... Todo mundo tem uma história para contar, lembrar, dar opinião. Mas depois de trabalhar com tantos casamentos, não há nada mais verdadeiro do que a frase de alguns padres, pastores, que já ouvi: “Se case para fazer o outro feliz e não para ser feliz!”.

É isso. Se case para fazer o outro feliz, fique junto, namore, fique, pra fazer o outro feliz. Então funciona mais ou menos assim: se ele te faz feliz e você o faz feliz, fechou o ciclo, encaixou, pronto, fim. Mas via de mão única não funciona.

Mas não, não fique com alguém porque você quer ficar feliz. Simplesmente porque ninguém pode te fazer feliz a não ser você mesma. Só é possível se sentir feliz com o outro, se você já está feliz. Senão, imagina, o outro se vai e sua felicidade vai junto... não pode!

É claro que há uma tristeza em não ter por perto quem gostaríamos, mas jamais podemos nos esquecer que nossa ALEGRIA, nossa FELICIDADE está aqui dentro, pertinho do coração, guardada e bem quentinha, pronta para ser multiplicada e somada com a felicidade do outro!

Veja que matemática legal: você traz sua FELICIDADE, junta com a MINHA e tudo se transforma na NOSSA. E o que acontece quando uma das partes se vai?? Resta, ufa, a nossa própria felicidade. Que bom!!

Ninguém se transforma no que não é por causa de alguém. Ninguém se torna um bom fotógrafo porque recebeu um elogio. Ninguém se torna mais bonita porque recebeu uma cantada. Ninguém se torna outra pessoa por um fator externo. O que existe é enganação do ego. Ou você já sabe do seu potencial e fica feliz com o reconhecimento seja profissional ou pessoal, ou você não é ninguém sem alguém.

Casamento que emociona é quando você percebe que o casal deve sim ter seus defeitos e se amam, os dois querem somar suas felicidades e enfrentar junto os obstáculos. Eu não acredito na paixão unilateral. Aliás, tenho medo. Inclusive se eu for a parte apaixonada sozinha.

Eu sou a favor da individualidade a dois. Eu sou a favor do infinito. Da intersecção, da admiração mútua, da troca. Eu sou a favor de só ficar junto se tiver tesão, além de olhares. Eu sou a favor de papos que nunca encerrem, de conversas e risadas e choros e histórias... mas que sejam contadas a dois. Eu sou a favor de TUDO desde que seja bilateral. Desde que o coração não doa. Nem a barriga, nem parte nenhuma.

Eu sou a favor de relacionamentos que tragam PAZ e ALEGRIA.

- croniquinha boba mas eu precisava escrever.

[post_title] => croniquinha [post_excerpt] => [post_status] => publish [comment_status] => open [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => croniquinha [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2018-02-22 16:08:49 [post_modified_gmt] => 2018-02-22 19:08:49 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://carolinapires.com.br/croniquinha/ [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) [11] => WP_Post Object ( [ID] => 13426 [post_author] => 2 [post_date] => 2010-02-04 00:00:00 [post_date_gmt] => 2010-02-04 02:00:00 [post_content] => E de repente chegam os 30 anos. Outro dia eu estava deitada me lembrando de quando eu era criança e ficava imaginando o que eu seria quando crescesse. Jamais imaginaria que seria fotógrafa, muito menos de casamento. Fotografar casamento era aquela coisa chata, brega, coisa de velho. Seria eu escritora? Atriz! Eu queria ser atriz para poder ser tudo em uma pessoa só. E os 30 chegam... Mudanças de cidade, escolha da profissão, um casamento falido, muitos amigos queridos, passeios, viagens. Em 30 anos eu aprendi a falar, andar! E também a beber, sorrir, transar. Contar mentiras e viver verdades. Desaprendi a me apoiar nos joelhos ou no ombro dos outros. Descobri dançar, fotografar, olhar ao redor, falar pelos cotovelos... Amei um bocado! Desde cedo, desde sempre. O coleguinha da escola, o menino do curso, o homem sei lá de onde. Escrevia cartas, poesias, olhava para a lua e a cada ciclo era alguém diferente que eu pedia para mim! Até aprender, também, que tem gente que vale à pena querer por mais tempo! Meus avós se foram, meus pais se separaram, eu me mudei sozinha. Mas antes, ao longo dos anos, tive muito colinho da vovó, conversas e baralho com o vovô; reuniões na varanda com meus pais e natais cintilantes. As coisas mudam! Que bom! Dá tempo para viver cada pedaço de cada fase. Boa ou não. E aí sim, mais uma vez você aprende a não só ficar em pé, mas a também dar passos sozinha. Hoje não quero ter filhos, hoje não quero casar de verdade. De verdade é pra valer, é dividir a vida e não ter festa e cerimônia. Casar não é isso. Mesmo. Mas pode ser que um dia eu queira. A liberdade cansa, juro! É tanta liberdade que você fica tonta! Liberdade de ir e vir, de viver, de trabalhar, de horários, de sexo, de SER! Eu sou tão livre que não sei bem o que fazer com isso, ou se tem alguma coisa para se fazer quanto a isso. Inclusive a liberdade de não fazer nada e ficar em casa num dia de sol. Ou de não querer beber até cair, ou de qualquer coisa! Óbvio que minha liberdade tem limitação, mas ainda não me dei de cara com ela, talvez porque o que eu queira está dentro dos meus limites. Ah, mas a culpa! Ah a culpa corta em picadinho essa liberdade. Quando ela chega eu espero ela ir embora e volto para onde eu estava. Eu fui e vim. Disse e desdisse. Não fazia e fiz! Não queria e sonhei. Um círculo, um ciclo, vários... Já contei que dei aula de dança do ventre? Anos... e também fiz velas, bijouterias, ponto cruz! Fui professora de fotografia de uma ong, depois da Federal de Pernambuco, também monitora do laboratório de revelação. Mas antes apresentei programa na TV Universitária, bem como escrevi para um site sobre cultura. Ah! Já fiz de tudo! Até dar aula em inglês de português para umas vizinhas chinesas! E eu adoro lembrar disso tudo! Também adoro me lembrar das minhas paixões! Platônicas, reais, qualquer uma! Era muito engraçado, até quando doia. Na escola, no primeiro ou segundo ano, eu devia ter uns 15 anos... fui estudar num colégio de freira e durante a missa eu só olhava para a estátua de Jesus e agradecia: Meu Deus como é bom isso de se apaixonar! OBRIGADA!!! hahahaha! Era tudo bom! Ainda é! Pô tive decepções absurdas! E daí? Faz parte dos meus 30 anos também! Amor bom e ruim, paixões correspondidas outras não, sexo muito bom, sexo horroroso, sexo com amor, sexo casual, sexo inconsciente, sexo super consciente! ê 30 anos! Meus 30 anos me trouxeram independência financeira, juntando isso a minha liberdade no trabalho e sendo solteira -sem filhos- (talvez o principal) faz com que de uma hora para outra eu decida pegar um ônibus para Juiz de Fora, chegar lá passando mal da viagem, ficar 2hs com sua melhor amiga depois seguir, de ônibus, de novo, para SP só para fazer compras... com ela. E no final ainda ter que rebolar para pagar as contas de casa! Sim! Aos 30 (e muito antes) não tem mais papai e mamãe para pagar aluguel, luz, celular, velox, cartão, comida, bebida.... ui! Ah! mas os 30 anos!!! Estou achando tudo lindo, exceto pelo fato de, no momento, eu não estar apaixonada por ninguém. Aí sim eu diria que cheguei aos 30 como em tudo na minha vida pequena: trabalhando, me divertindo e apaixonada. Apaixonada babaca, daquelas que você dorme e sorri? Sabe?! Maravilha!!! Ou trabalha e pára pra rir, ou não pára e ri mesmo assim! Eu me apaixono babacamente. O único que escapa é o trampo! O trabalho está numa redoma que ninguém mexe, fora isso, babaca. ADORO! Babaca de um homem só. UM SÓ, até eu não me sentir mais feliz ou achar que não o faço mais feliz, arrumo minha sacolinha, ponho nas costas e... ah meus 30 anos!!! Não sei ainda me livrar de algumas culpas, não isso ainda não. Não sei ainda lidar com a raiva e a frustração. Ainda tenho mau humor nas manhãs, ainda não acordo cedo, ainda olho o céu antes de dormir. Ainda não tenho paciência. Ainda sou grossa e, algumas vezes, bipolar. Ainda me recolho, ainda me isolo quando não estou bem, ainda me sinto um bicho do mato quando conheço novas pessoas. Eu ainda sorrio feito criança, eu ainda me apaixono como adolescente, eu ainda fico feliz com pequenas surpresas, eu ainda faço birra e me irrito, eu ainda sou preguiçosa, eu ainda choro um dia inteiro por nada, eu ainda ouço música e faço um filme na cabeça... Eu não acredito mais tanto nas pessoas, eu não espero mais tanto das pessoas, eu não sou mais tão ciumenta e possessiva, eu penso, às vezes, antes de falar... alguma coisa tinha que mudar! Eu espero mais do que me desespero. Eu não acho mais que o mundo gire a meu redor, que pena! Eu não preciso mais uma pessoa para me sentir inteira, mas eu posso querer. Eu não sofro mais durante meses quando um relacionamento se acaba! Eu entendo que as coisas não saiam como planejei e não dou mais chilique! Muitas vezes até gosto das surpresas! Eu ainda não sei dividir tudo, mas aprendi um pouco. Eu ainda odeio lavar a louça dos outros. Eu ainda odeio a bagunça dos outros. Eu ainda reclamo dos outros o que não reclamo de mim mesma. Eu ainda tenho esperança de ficar melhor para mim mesma, por isso faço terapia há... 30 anos! Aos 5 anos fui morar em Brasília, aos 10 no Rio, aos 11 em Brasília, aos 15 anos fui morar em Salvador, aos 17 em Recife... Ah, 30 anos! Aos 26 anos meus pais se separaram. 30 anos Aos 26 saí de casa sem saber se teria grana para me bancar. 30 anos Aos 24 minha vó querida morreu. Aos 11 o meu avô.30 anos. Aos 28 fui dividir apartamento com um cara que eu nunca tinha visto na vida. Virou meu irmão. 30 anos. Aos 27 me separei. 30 anos. Aos 28 me mudei para o Rio, de volta a minha cidade após 18 anos. 30 anos. Aos 15 eu tive minha primeira paixão de adolescente. Aos 16 ganhei um prêmio no colégio pela melhor peça de teatro escrita por mim! Em resumo, nada demais! Mas TUDO MEU, TUDO MINHA! Minha vida, minha história, meus passos, meus sonhos, minhas conquistas e minhas derrotas. Não escalei montanhas, não pulei de asa-delta, não tive filhos, não viajei com mochila nas costas, não esquiei, não fiz ménage à trois, não mergulhei com tubarões. Fiz o que era para ser feito dentro da minha vida e das minhas vontades e possibilidades. Nada que ainda não possa ser feito, nada do que eu me arrependa. Ok... talvez uma coisa ou outra eu fizesse diferente, mas TUDO que fiz, FIZ porque era só o que eu podia fazer naquele momento. Isso eu também aprendi no ALTO dos meus 30 aninhos ;) AH!!! Meus 30 anos! No dia do Valentine´s day, no domingo de Carnaval, no dia que o Salgueiro desfila, tudo isso, 14 de fevereiro! Uhuuu!!! [caption id="attachment_489" align="alignnone" width="224" caption="Era para a boneca sorrir!"]Era para a boneca sorrir![/caption] Carol carol [caption id="attachment_493" align="alignnone" width="300" caption="Araruama, casa da vovó."]Araruama, casa da vovó.[/caption] [caption id="attachment_494" align="alignnone" width="300" caption="3 anos! carnaval!"]3 anos! carnaval![/caption] [caption id="attachment_495" align="alignnone" width="300" caption="descobri pq adoro elefantes :D"]descobri pq adoro elefantes :D[/caption] [caption id="attachment_496" align="alignnone" width="224" caption="meus dentes juntaram sem aparelho! ufa!"]meus dentes juntaram sem aparelho![/caption] [caption id="attachment_497" align="alignnone" width="231" caption="25 anos"]25 anos[/caption] [post_title] => Meus 30 anos! [post_excerpt] => [post_status] => publish [comment_status] => open [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => meus-30-anos [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2018-02-22 16:08:49 [post_modified_gmt] => 2018-02-22 19:08:49 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://carolinapires.com.br/meus-30-anos/ [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) ) [post_count] => 12 [current_post] => -1 [in_the_loop] => [post] => WP_Post Object ( [ID] => 13488 [post_author] => 2 [post_date] => 2011-06-09 00:00:00 [post_date_gmt] => 2011-06-09 03:00:00 [post_content] =>

Após cinco horas de estrada chegamos à Paraty! Era noite então puder ver várias lampadinhas pelas ruas que levemente iluminavam bandeirinhas suspensas no ar. Bastou isso para que eu entrasse em êxtase! Era, finalmente, São João! O carro foi entrando na cidade e apareceram barraquinhas! - Barraquinhas!!! deve ter milho quente! Deve ter coisa pra comprar! deve ter, deve ter, deve ter!!! E eu batia palmas e sorria e disse: estou tããão feliz! pega um pouquinho pra você!  - Alguém tem que ficar sério e mal humorado nesse carro, vc está feliz demais, assim não dá! - e rimos dessa declaração completamente verdadeira dentro de uma mentira, óbvio que ele também estava achando aquilo muuuito legal! Ou não... vai saber!

Não fotografei à noite, chegamos tarde, fomos comer e descansar pro trabalho do dia seguinte. Mas ao acordar... eu dei de cara com um céu tão azul que fechei os olhos sem conseguir olhar pra claridade! Fazia tempo que eu não sentia essa felicidade gratuita. Óculos escuros, chinelinho e a câmera sem zoom, era tudo o que eu carregava! Eu tenho necessidade de estar só em algum momento e eu gosto muito de fotografar só e sem propósito e sem dono da minha fotografia. Sou eu comigo mesma, o meu cigarro que eu não fumo.

E parti, Paraty. Ruelas, becos, barcos, e muitas, muitas bandeirinhas que me deixaram leve, que me lembraram um São João no meio do sertão da Paraíba muitoooss anos atrás, que me lembraram festa Junina em clubes de Brasília, pescaria, barraca do beijo, correio do Amor...

Em Paraty, bandeirinhas de pano! Isso eu não vou mais esquecer! Dia azul, pé no chão, vento frio, eu e a câmera.

Beijo! Carol ____________________ [post_title] => Paraty para mim [post_excerpt] => [post_status] => publish [comment_status] => open [ping_status] => open [post_password] => [post_name] => paraty-para-mim [to_ping] => [pinged] => [post_modified] => 2018-02-22 16:08:45 [post_modified_gmt] => 2018-02-22 19:08:45 [post_content_filtered] => [post_parent] => 0 [guid] => http://carolinapires.com.br/paraty-para-mim/ [menu_order] => 0 [post_type] => post [post_mime_type] => [comment_count] => 0 [filter] => raw ) [comment_count] => 0 [current_comment] => -1 [found_posts] => 44 [max_num_pages] => 4 [max_num_comment_pages] => 0 [is_single] => [is_preview] => [is_page] => [is_archive] => 1 [is_date] => [is_year] => [is_month] => [is_day] => [is_time] => [is_author] => [is_category] => 1 [is_tag] => [is_tax] => [is_search] => [is_feed] => [is_comment_feed] => [is_trackback] => [is_home] => [is_404] => [is_embed] => [is_paged] => 1 [is_admin] => [is_attachment] => [is_singular] => [is_robots] => [is_posts_page] => [is_post_type_archive] => [query_vars_hash:WP_Query:private] => 281838cc85b4111e0e1b4c80cd86f470 [query_vars_changed:WP_Query:private] => [thumbnails_cached] => [stopwords:WP_Query:private] => [compat_fields:WP_Query:private] => Array ( [0] => query_vars_hash [1] => query_vars_changed ) [compat_methods:WP_Query:private] => Array ( [0] => init_query_flags [1] => parse_tax_query ) ) --> Arquivos Pessoal - Página 3 de 4 - Carolina Pires Fotografia de Família